Entenda o que é um fundo exclusivo

Certamente você conhece os diversos tipos de fundos de investimento, mas, se leu nosso post sobre planejamento sucessório, viu um tipo de fundo menos comum e muito importante para a blindagem patrimonial: o fundo exclusivo.

Mas afinal, o que é um fundo exclusivo?

É uma categoria de fundo de investimento em que se tem, normalmente, um único cotista. O objetivo desse fundo é que o gestor consiga adaptar o patrimônio do cliente em termos de administração e alocação do patrimônio, por ser uma pessoa com maior expertise no mercado financeiro. 

Fundos de investimento, de maneira geral, podem ser abertos ou fechados. Fundos fechados têm a vantagem de não incidir come-cotas, o que pode apresentar uma vantagem tributária interessante caso o fundo exclusivo do/da acumulador(a) de patrimônio seja desta categoria. O fundo fechado pode, ainda, possibilitar doação de cotas através do termo de cessão. Além disso, o fundo exclusivo como um meio de planejamento sucessório tem determinadas vantagens tributárias em detrimento de outros modelos de sucessão patrimonial. Esse fundo é, portanto, construído levando em conta o tamanho do patrimônio do investidor e também o seu perfil de risco, e fica por responsabilidade do gestor. Por ter alto custo, o fundo exclusivo é considerado um produto financeiro private, para patrimônios superiores a R$15 milhões.

Por que é vantajoso ter um fundo exclusivo?

Um fundo de investimentos exclusivo é uma opção vantajosa em especial em termos tributários, uma vez que não incide imposto de renda nas movimentações do fundo, para aqueles investidores que já têm um patrimônio acumulado com certa robustez e pretendem fazer o processo de sucessão para seus herdeiros de maneira a otimizar a liquidez e evitar trâmites burocráticos, uma vez que não passa por determinados imbróglios como o próprio processo de inventário.

Importante ressaltar que um fundo exclusivo é diferente de um fundo restrito, que não precisa ter um único cotista – e sim um grupo de pessoas, unidas seja por serem sócios de uma mesma empresa ou de uma mesma família – e não exige que sejam investidores qualificados, diferentemente do fundo exclusivo. 

Além disso, o fundo é uma opção vantajosa porque é adaptado exclusivamente às necessidades, perfil e patrimônio do cotista. 

O lado negativo, no entanto, é a incidência de come-cotas e o alto custo de manutenção. Em média, em função da sua certificação junto à CVM, taxa de administração, auditoria, custódia, certificado Anbima, dentre outros, o custo anual de R$50.000,00. 

O que é preciso, além  do capital inicial, para ter um fundo exclusivo?

Para ter um fundo exclusivo é necessário, além do gestor de recursos, um administrador, responsável pela organização do fundo (geralmente uma instituição financeira), o custodiante do fundo, um auditor responsável pelas informações contábeis daquele fundo e, por fim, um distribuidor, geralmente um agente autônomo de investimentos.

Então, compensa ter um fundo exclusivo?

Tudo depende do seu perfil enquanto investidor, da sua estrutura familiar, dos seus objetivos de curto e médio prazo, bem como seu planejamento sucessório e a estrutura do seu patrimônio (se envolve empresas ou patrimônios de baixa liquidez, por exemplo). Um fundo exclusivo é uma opção interessante para aqueles que têm um patrimônio já bem consolidado e com alguma liquidez, em especial aqueles que são investidores com um perfil mais arrojado

Caso ainda tenha dúvidas ou tenha se interessado no modelo de investimento do fundo exclusivo, contate um de nossos assessores para que possamos de ajudar com seu planejamento e pretensões para sua família e seu patrimônio

Deixe uma resposta